Rio Sangradouro – A LONGA DEMORA PARA FAZER AS ÁGUAS ROLAREM!


O Rio Sangradouro enfim começa a sentir o efeito da retirada da terra e entulhos acumulados em seu leito desde o inicio das obras de canalização no início de 2012.
Esperamos que seja feito em todo o seu o trecho canalizado (Veja abaixo o “antes” e o “durante as obras”) retirando

a terra acumulada em vários pontos a montante do Largo da Freguesia.
Isso porque a obra começou de baixo para cima, terminando em março de 2015, na ponte do retão final da estrada dos Três Rios, e enquanto mexiam nas margens, canalizando cada vez mais em direção acima (montante), a terra cheia de raízes e capim removidos, descia em parte pelo rio e foi se acumulando em vário trechos (Veja fotos)

Esse acúmulo de terra passou a provocar também a retenção de dejetos e lixos humanos que ainda são jogados ao rio “in natura” pelos prédios, residências e empresas ao longo desse percurso, pois no projeto de canalização não contemplava solucionar o problema dos esgotos no rio.

Com o tempo a sujeira crescia e fedia, e com o calor do sol  empesteava todo o Largo da Freguesia.

As denúncias da Amaf, desde 2015, acrescidas das reclamações da população nas redes sociais, a campanha da administração da Passarela da Freguesia, a intercessão de políticos e a efetiva ação das autoridades canalizaram para a solução temporária do problema, pois a definitiva é conhecida como MANUTENÇÃO.

A dragagem esperamos que seja para pata tirar a terra acumulada em vários trechos a montante do Largo da Freguesia.

Notas: 

1- Se você não visualiza os ícones é porque não acessou a página no site da AMAF.
Ao receber um e-mail enviado automaticamente pelo site, quando uma nova notícia é publicada, para acessar a página do site é preciso clicar no assunto da matéria.

2- Se você deseja pesquisar qualquer assunto no site da AMAF basta colocar palavras do seu interesse no campo PESQUISA (Vide imagem abaixo), separadas por vírgula, que você vai achar na área lateral direita da página do site da AMAF que você abriu.

Campo_pesquisa

Deixe um comentário